Site Loader

Butcher’s crossing, John Williams

Como descrever Butcher’s crossing?


Eu diria que é um clássico moderno muito reflexivo , um romance de formação que nos mostra a desilução da experiência humana e de seus rituais de passagem.

No livro conhecemos o jovem Will Andrews, um rapaz que largou a faculdade de direito de Harvard para se enveredar pelo oeste americano.

Em busca de quê, ele ainda não sabe bem.

Uma grande inquietude da alma o leva a sair de uma vida acadêmica para a cidadela de Butcher’s Crossing atrás de um amigo de seu pai, e lá acredita poder descobrir o que realmente deseja da vida. Butcher´s crossing é uma cidade de fronteira no Kansas que, por volta de 1870, sobrevive somente com o comércio de gado e de peles. No entanto, a chegada da ferrovia nos arredores da cidade promete um desenvolvimento econômico típico de regiões de fronteira.

Tomando parte em uma expedição de caça a búfalos, as aventuras e o desbravamento territorial prometem um bom retorno financeiro. Para Will, essa empreitada é um meio para um fim – será essa jornada na natureza selvagem aquilo que o fará superar o torpor da vida na cidade ?

“Senhor Mac Donald”, disse Andrews suavemente, “Agradeço o que o senhor está tentando fazer por mim. Mas eu gostaria de explicar uma coisa. Eu vim até aqui…” Calou-se e deixou que seu olhar se estendesse para além de McDonald, para além da cidade, além dos confins da terra à vista que ele acreditava que fosse a ribanceira do rio, até a planície verde-amarelada que desaparecia no horizonte a oeste (…) Era uma sensação uma necessidade urgente de falar. Mas sabia que , independentemente do que dissesse, seria apenasmais um nome, algo inapropriado para descrever a natureza selvagem que ele buscava. Era uma forma de liberdade e beleza, de esperança e vigor, que lhe parecia a base de todas as coisas mais familiares em sua vida, que não eram livres nem belas, tampouco cheias de esperança e vigor. O que ele buscava era a origem e a salvação de seu mundo, um mundo que sempre parecia recusar suas próprias origens, em vez de busca-las(…) na natureza selvagem, renovando-se justamente dessa forma, ano após ano. “

O livro não deixa de representar uma faceta comum daquele Grande Sonho Americano que tanto ouvimos falar nos livros e filmes – o desbravamento do Oeste em busca de recursos , de independência, de segundas chances, de fazer um nome para si próprio.

No entanto, John Williams nos mostra aquela faceta do sonho que é, na verdade, cruel e feia.

Descrições singelas, porém cativantes da flora e fauna fazem você se sentir parte da tropa, desbravando o território dos búfalos. Ao mesmo tempo, os relatos da caçada e da curagem das peles nos apresenta ao lado predador e ganancioso do ser humano, e foi difícil encarar. Em certos momentos fica bem claro o instinto predatório e cruel do homem para com aquilo que é selvagem. Todo o tempo que a tropa passa nas montanhas provoca sensações que tanto protagonista e leitor não imaginavam serem capazes de suportar. Grande destaque aos companheiros de caçada de Will, que são peculiares e imprescindíveis à narrativa, trazendo importantes reflexões sobre a intrinseca relação homem versus natureza.

 Photografia: Lucas Jackson/Reuters

” Você ainda não entendeu… Veja. Você gastou quase um ano da sua vida e do seu suor porque acreditou no sonho de um louco. E o que ganhou com isso? Nada, Vocês matam três, quatro mil búfalos, e embalam direitinho as peles nos fardos, e esses búfalos vão apodrecer onde vocês os deixaram, e os ratos farão ninhos nas peles. O que você ganhou em troca? Um ano desperdiçado da sua vida, uma carroça estragada que um castor talvez use pra fazer barragem, alguns calos nas mãos e a lembrança de um homem morto. (…) E foi só o que restou dele. O nome. É como não voltou vivo, nem isso restou para ele mesmo dizer.(…) Claro, eu sei. Também saí sem nada. Porque esqueci uma coisa que aprendi muito tempo atrás. Deixei as mentiras voltarem. Também tive um sonho e, como era um sonho diferente do seu e do de Miller, acreditei que não era um sonho.

Mas agora eu sei, garoto. E você, não. E isso faz toda a diferença. “

Ao fim da jornada, nada será o mesmo – O retorno da tropa a Butchers Crossing guarda doloridas surpresas, tanto materiais quanto existenciais, fechando o livro com grandes lições. Você vai olhar para a marcha do Oeste estadounidense com outros olhos a partir desse livro.

É um livro lento, contemplativo, porém fascinante. Escrito na década de 1960, ele representa bem as angústias de uma geração.

Saiba mais e compre o livro clicando na ficha técnica abaixo.

Subscribe
Notify of
guest
0 Comentários
Inline Feedbacks
View all comments
.

Siga o Benditos Livros

Categorias

Arquivos

Contador de leituras

87

Livros 2019

117

Livros 2020

37

Livros 2021

Parceiros 2021

Kindle Unlimited Grátis por 30 dias

Anúncios




Blogs Parceiros

Spotify